Maison Margiela Outono/inverno 2019 Haute Couture em Paris

//Maison Margiela Outono/inverno 2019 Haute Couture em Paris

Maison Margiela Outono/inverno 2019  Haute Couture em Paris


Ao longo das últimas temporadas da Maison Margiela, o estilista John Galliano tem explorado o que ele chama de “processo cíclico de decadência”, o que se traduz livremente em uma observação de nosso excesso de indulgência na era digital.

Aos seus olhos, nossa devoção ao excesso acabará transbordando. Então se seu último desfile de alta-costura foi o auge da decadência e seu show de pronto-pra-vestir, em fevereiro atingiu o estágio de decadência, inevitavelmente esta coleção representou o resultado desse ciclo.

Galliano vê essa constante de fluxo de informações, imagens e impressões como uma ameaça.  Ele imprimiu tecidos de costura para se parecer com os robustos tecidos de lã e espinha de peixe. Apenas para revesti-los em fio de seda e crinolina impressos para parecerem projeções de peles de répteis.

Esse efeito de filtragem fez com que os modelos passassem por uma projeção. Mas enquanto os nus fotografados por Katerina Jebb foram projetados nas paredes do atelier Maison Margiela durante o show, as projeções dentro das roupas eram ilusões de ótica. Projeção, como Galliano explicou em suas anotações sobre o programa, significa “o ato de avançar”, como um vislumbre do futuro.

Talvez houvesse também uma mensagem dentro da trilha sonora, cortesia de Madonna, que abriu seu show: “Como eu poderia confiar em alguém após anos de decepção e traição? Como eu poderia não querer fugir de novo e de novo? Escapar. Eu nunca serei o que a sociedade espera que eu seja. Eu vi muito … No final ainda tenho esperança. Eu ainda acredito na bondade dos humanos “.

Fotos Divulgação

Martin Margiela

Martin Margiela

Martin Margiela

Martin Margiela

Martin Margiela

Martin Margiela

Martin Margiela

Martin Margiela

Martin Margiela

Martin Margiela

Martin Margiela

Martin Margiela

Martin Margiela

 

Comentários