Donaldo Judd o meu resgate emocional e a abertura da exposição no MOMA

//Donaldo Judd o meu resgate emocional e a abertura da exposição no MOMA

Donaldo Judd o meu resgate emocional e a abertura da exposição no MOMA


No tempo antes do meu mergulho na arte contemporânea já conhecia o trabalho do artista Donald Judd, vi pela primeira vez no Whitney Museum lá nos anos 80 do século passado. Achei interessante aquele minimalismo, mas como eu sou barroco por natureza deixei para lá.

Em 1993, assisti um filme que não fez muito sucesso, o triller “Boxing Helena” da diretora Jennifer Lynch com Julian Sands que eu amo e Sherilyn Fenn que parecia que ia ser uma grande estrela. Não rolou de ela ser uma star, mas a ideia de cortar em pedaços a personagem e colocar em caixas me levou de volta a Donald Judd. Prateleiras, caixas, é como nosso cérebro fosse esses compartimentos. Gosto de perna, de tórax e de bocas então porque não engavetá-las no nosso inconsciente.

Difícil, sim Donald Judd é estranho. Anos depois quando achava que tinha me esquecido dele, a colecionadora Mara Fainziliber o resgatou para mim. Uma conversa breve sobre o seu trabalho e de como ela o admirava acendeu minha luz de novo. Como Mara também fez reacender minha admiração por Ângelo Venosa.

Lendo o The New York Times, um dos meus colunistas preferidos é o crítico Holland Cotter e ele fez um ótimo artigo sobre Donald Judd e a exposição que inaugura amanhã 01 de março no MOMA e não sei, mas acredito que Mara e Marcio Fainziliber estejam por lá nas previews.

Donald Judd

“Eu me pergunto se isso ocorre aos jovens artistas do presente globalista e pluralista para tentar marcar um ponto na história da arte, mudando o modo como à história segue. Donald Judd, pioneiro do movimento dos anos 1960 chamado Minimalismo (o rótulo não era dele; ele odiava), pensava nisso constantemente. Eu queria, desde o início, ser um grande negócio de arte, um super influenciador. Muito antes de sua morte em 1994, aos 65 anos, ele era.

Os principais museus americanos e europeus possuíam seu trabalho. Sua imagem escultural de assinatura – uma madeira sem frescura, sem conteúdo ou caixa de metal – não foi apenas adaptada por outros artistas, mas também os riffs nela se tornaram um elemento da arquitetura e design internacionais. Até certo ponto, todos nós vivíamos no mundo Judd, e ainda o fazemos.

No entanto, com o tempo, o próprio Judd parece ter se afastado da vista. A pesquisa de 70 obras que será inaugurada no Museu de Arte Moderna em 1º de março é a primeira em Nova York em mais de 30 anos. É um belo espetáculo: cuidadosamente escolhido, persuasivamente instalado, do tamanho certo. Seu título de uma palavra, “Judd”, combina com a visão do artista sobre seu lugar desejado e trabalhado na história: tão seguro que não precisa de qualificadores nem explicações.

A grande, e talvez única surpresa, principalmente para os céticos de Judd, é a beleza de algumas das artes, poéticas e misteriosas. Essas eram qualidades que o próprio Judd, pelo menos quando ele estava começando, não desejaria aplicar ao seu trabalho, que na década de 1950 estava pintando. Beleza e mistério pertenciam à arte de ontem. Ele era uma arte de hoje, um dia em que ele se manteve como crítico de arte de Nova York no final dos anos 1950 e início dos anos 1960.

A escrita o levou a trabalhar em rede amplamente no mundo da arte contemporânea. Isso permitiu que ele observasse sua máquina de fazer carreira em ação e considerasse como se posicionar nela. Suas críticas – generosas, pontificativas, proscritivas – eram uma forma de autopublicidade que também servia como um meio útil de autocrítica.

Vários desses objetos vêm com o que pode ser chamado de efeitos especiais, não necessariamente perceptíveis em uma passagem rápida. Uma pilha de caixas de acrílico amarelo e aço inoxidável para escalar paredes gera um mini Niágara de luz. Outro, composto de cobre brilhante irradia uma mandorla tawny. Uma pilha alta de caixas, suas unidades de ferro pintado de azul, projeta sombras e dá ao seu lado da galeria um tom crepuscular. A arte supostamente inexpressiva de Judd tem muitos humores”.

Donald Judd

Holland Cotter é co-chefe crítico de arte do The New York Times, onde trabalha na equipe desde 1998. Foi agraciado com o Prêmio Pulitzer de Crítica em 2009. Ele escreve sobre uma ampla variedade de arte, antiga e nova, e tem fez longas viagens à África e China pelo The Times. Membro da Academia Americana de Artes e Ciências, ele é formado pela Harvard College, Columbia University e City University of New York.

Donald Judd

Comentários