François Catroux um dos mais importantes decoradores do mundo falece aos 84 anos em Paris

//François Catroux um dos mais importantes decoradores do mundo falece aos 84 anos em Paris

François Catroux um dos mais importantes decoradores do mundo falece aos 84 anos em Paris


 Essa semana um dos mais respeitados decoradores do mundo o francês François Catroux faleceu em Paris. O decorador era o preferido entre os aristocratas, magnatas, rainhas da moda, membros da realeza e oligarcas desde 1968, quando abriu seu escritório em Paris. 
 
Seus clientes ao longo dos anos incluem Guy e Marie-Hélène de Rothschild, Leslie e Abigail Wexner, Barry Diller e Diane von Furstenberg, Princesa Firyal da Jordânia e Roman Abramovich, para citar alguns.

A autopromoção era uma maldição para ele. Ele estava tão profundamente enraizado no mundo da moda e do glamour internacional quanto possível, mas ainda assim alérgico à maldade endêmica desses círculos.  Casado com a modelo Betty Catroux, a mulher simbolo e musa de Yves Saint Laurente, ele nunca, jamais, disse uma coisa indelicada sobre o trabalho de outra pessoa. Um gentleman ou um grand chevalier como preferirem.

Ele simplesmente se recusou a se envolver em qualquer comportamento ruim no estilo beau monde – e, no final das contas, essa gentileza se tornou uma fonte de força, porque ele era amado e respeitado por alguns dos personagens mais duros do mundo. Alguns eram amigos, alguns eram clientes, muitos eram ambos

O apartamento dos Santo Domingo em 1990 , New York City

 

Com seu 80º aniversário se aproximando em dezembro, Catroux ainda trabalhava para os mais cobiçados novos clientes e alguns jobs.  Um jovem membro da família real saudita recentemente pediu a Catroux para projetar um palácio para ele em Riade, e David Geffen o convidou para decorar sua  cobertura duplex de 12.000 pés quadrados de $ 54 milhões na Quinta Avenida, em Nova York, em  colaboração com o escritório de arquitetura de vanguarda Diller Scofidio + Renfro.
 
 “É notável que ele seja, em sua idade, tão contemporâneo quanto é”, disse Geffen, por telefone de seu barco, o Rising Sun, em águas ao sul da França ao jornalista David Netto que publicou o livro “FRANÇOIS CATROUX” pela Editora Rizzoli em 2016.
 
 Depois de comprar o apartamento, Geffen mandou um e-mail para Catroux, pedindo para discutir a possibilidade de ele aceitar o emprego.  Os dois se deram bem imediatamente.  “Eu imediatamente o entendi.  Fiquei muito impressionado com as casas dele ”, diz Catroux.  “Ele sabe exatamente o que quer e está muito focado no que a casa deve ser.  É imediatamente sim ou não.  Ele é muito rígido em seu gosto e tem um olho fantástico para pinturas ”.

O parte do jardim da casa de François e Betty Catroux na Provence, França

 
 “Achei que seria ótimo trabalhar com ele, e até agora tudo bem”, diz Geffen.  “Ele é incrivelmente talentoso.  Se você olhar para o que ele fez, eles são tão diversos quanto podem ser, mas sempre muito bonitos e elegantes.  Ele está muito consciente de tentar fazer algo de que você goste, em vez de algo que ele goste.  E ele é um homem incrivelmente charmoso – um cara maravilhoso. ”

Os Catroux in 2004 na sua casa em Paris, em frente ao retrato de 1995 de Betty, por Philippe de Lustrac.

Para explicar a sua trajetória, é preciso voltar a uma época em que o design como profissão não era o 
mesmo. Não foi tão transacional. Para François Catroux, projetar era realmente uma coisa viva 
- estendia-se além de fazer quartos e casas e tinha mais a ver com elegância. 
Acima de tudo, ele valorizava a elegância do comportamento dentro de um círculo de relacionamentos. 

Robert e Chantal Miller’apartamento no Carlyle Hotel, com obras de arte de Jean Dunand (esquerda ) e Fernando Botero, New York City, 1986.

Barry Diller e Diane von Furstenberg. Projeto de François Catroux em Beverly Hills,

O quarto de hospedes na sua casa na Provence, França

Uma história para ilustrar: Questionado sobre a origem de uma figura heroica apoiando um globo em sua sala de estar, ele explicouque “o Atlas me foi dado de presente por Hélène Rochas.Ela era uma amiga íntima minha, comprou um barco e me pediu para fazer a decoração do barco. Fiz a decoração, mas não queria cobrar nada dela, já que passei muito tempo como hóspede em suas belas casas …então ela me enviou isso da [Galerie] Kugel.”

François era um excelente empresário e trabalhava em todo o mundo, certamente não apenas para as pessoas com quem jantava ou ia velejar. Mas histórias como esta aparecem consistentemente como fios na narrativa de como ele se conduziu. Seus clientes, por sua vez, o admiravam. 

Seu estilo mudou ao longo dos anos do modernismo (o choque de seu showroom minimalista de 1968 em um palazzo milanês para a estilista Mila Schon que conseguiu seu primeiro projeto na capa da L’Oeil) para a opulência de damasco e mogno para os Rothschild, Patino e as famílias de Santo Domingo (grandes clientes, mas também amigos íntimos) para um retorno apaixonado no trabalho recente a um tipo de suavidade muscular, mas sempre original.

O interior do yacht de Barry Diller

Sala de jantar do apartamento de Paris dos Santo Domingo

O quarto de François e Betty Catroux em seu apartamento em Paris 1970

 

 Com colaboração de Elle Décor, Vanity Fair, Getty Images e fotos de François Hallard 

 

Comentários