Ramonn Vieitez fala do seu trabalho e como é pintar no Recife na pandemia para “Quarenta Views”

//Ramonn Vieitez fala do seu trabalho e como é pintar no Recife na pandemia para “Quarenta Views”

Ramonn Vieitez fala do seu trabalho e como é pintar no Recife na pandemia para “Quarenta Views”


Foi numa tarde quando fui ver um preview do artista Ramonn Vieitez, na galeria Portas Vilaseca, quando ainda era no subsolo do shopping Vitrines do Leblon, que me deparei com a força expressiva do artista. Na conversa com Jaime Vilaseca, o diretor da galeria que o artista era de Recife e que era um jovem nos seus early twenties. Fiquei assombrado. Um clima alemão dark expressivo. Sofisticado e misterioso. Não resiste e aplaudi e desde então acompanho esse ainda jovem pintor e seu talento.

Conversamos com o galerista Jaime Vilaseca e ele fez essa declaração sobre o artista.

“Eu conheci o Ramonn desde 2014, na época era um dos artistas mais novos que eu representava quando comecei a trabalhar com ele. Ele era assistente da galeria Amparo 60, do Recife, e eu vi o trabalho dele timidamente e ele me mostrou e fiquei impressionado com a técnica e com esses dois vertentes que ele tem o obscuro e o mistério  dos seus personagens  e o uso das máscaras e que me fascinou bastante e foi o tema da primeira individual dele na galeria.  

Colocamos um insufilm na galeria o que trouxe um ar bem, sombrio para dentro do espaço e que fez muito sucesso e foi sold out. E tem um outro tema mais romântico, que eu adoro que fala de solidão e que vai para um trabalho de gênero, não especifico o personagem que pode ser homem -mulher e que eu também tenho um fascínio pela essa técnica de diluir o personagem. E eu acho que é um artista que tem um grande potencial e muito jovem ainda. Muito dedicado e caprichoso com o trabalho.

 

Sua rotina no atelier mudou na pandemia?

Em partes sim, no geral o trabalho está mais nas ideias e rascunhos, venho refletido bastante nas horas no ateliê e tudo vai para o caderno para  em algum outro momento ser executado. A produção ficou mais lenta, mas o motivo é físico mesmo, venho enfrentado uma tendinite que se agravou nos últimos meses e com o acompanhamento médico suspenso tenho que me controlar para não piorar, mas, como disse, a mente não para.

A verdade está sobre a mesa – Ramonn Vieitez

Os temas também mudaram? Esse ser visível e ao mesmo tempo invisível já estava presente na sua pintura?

É um processo constante de mudanças, no momento essa realidade que é quase uma literatura diatópica vem me fazendo refletir muito.

Além do cenário político beirando o surreal, o que mais me impacta é mudança da paisagem urbana, é muito estranho ver praticamente todas as pessoas nas ruas mascaradas e distantes, ruas vazias, bloqueios com peças imensas de concreto…é uma imagem que ainda está sendo processada, mas que certamente vai influenciar no que pretendo produzir.

Como a paleta de cores funciona para você. Tem cores primárias a sua pintura são uma opção? 

Eu trato a paleta de cores de uma forma mais orgânica, não no sentido de tom, mas no sentido de com o desenvolver da pintura ir decidindo quais cores usar.

Na maioria dos casos eu trabalho com uma cor predominante, eu gosto do impacto e do poder das cores, quentes ou frias, mas eu vou testando enquanto pinto até me decidir por uma, em algum momento me parece o certo e é com essa sensação que eu decido.

Ramonn Vieitez

As misturas te atraem?
Muitas das minhas pinturas são praticamente um turbilhão de ideias, eu costumo falar que é uma imagem do que a geração atual vive, um sem fim de informações, imagens, propagandas, notícias… Tudo em pouco tempo e muitas vezes sem espaço pra respirar, refletir, é o que a internet faz com a gente né?  Então sim, misturas me atraem, de cores, ideias, histórias e até mesmo antíteses.

Ramonn Vieitez

 O expressionismo durante alguns séculos foi  uma corrente importante na pintura quais desses pintores são referências para você?

Se não me engano, o primeiro livro de arte que comprei foi do Egon Schiele, pra mim um dos grandes gênios da pintura, além dele tenho imagens vividas em minha mente de trabalhos do Otto Dix, um figurativo visceral e inesquecível.

A temática LGBT+ está presente em algumas das suas obras. Você acredita que tem uma arte gay?

Eu vejo uma linguagem queer constante em todos os meus trabalhos, alguns mais alguns menos, como pessoa queer é difícil dissociar meu eu do que eu produzo, tudo tem muita auto-referência.

For a long while the boy walked in silence – Ramonn Vieitez

Quais são seus próximos passos na carreira?

No momento é continuar produzindo, eu não tenho conseguido pensar num futuro distante no momento, estou bem focado no presente em que infelizmente estamos vivemos uma incerteza maior do que o comum.

Você acredita em alguma metodologia para o sucesso?

No mercado de arte? Não conheço uma formula, mas acredito que network é fundamental.
E talvez não trabalhar com pintura? hahaha

Ramonn Vieitez

Sua presença em Recife de alguma maneira te afasta da criatividade ou de alguma maneira do mercado?
É um ponto bem delicado, ao mesmo tempo que adoro minha cidade, ela é muito cruel.
A falta de um circuito maior de arte é de certa forma uma limitação, o mercado de arte é mínimo, basicamente temos uma cidade que tem artistas fantásticos mas que precisam migrar para outros lugares para ter uma carreira.  

We’re here – Ramonn Vieitez

Ramonn Vieitez

Comentários